Eletroestimulação

Eletroestimulação

A eletroestimulação tem muitos nomes, estimulação elétrica neuromuscular (NMES), estimulação elétrica funcional (FES) e estimulação elétrica para tarefa específica (TASES)

Todos estes métodos querem melhorar a função muscular, amplitude de movimento e a força do paciente. No espaço habilitar utilizamos o EMPI que é um aparelho especialmente projetado para atender as necessidades de crianças e adultos em reabilitação. Diferentemente de outros métodos e aparelhos, que promovem apenas uma estimulação elétrica muscular,
o NMES estimula o músculo com ativação do nervo, promovendo tanto a estimulação motora quanto a estimulação sensorial, que influencia positivamente na performance motora.

Ele promove estimulação elétrica segura, confortável e eficaz da musculatura desejada com objetivo de:

  • Ativar musculatura inativa
  • Promover consciência sensorial
  • Promover crescimento muscular
  • Ativar musculatura espástica, tornando-a menos rígida, mais flexível e funcional
  • Promover impulsos aferentes (ou seja, em direção ao cérebro), que são críticos para o funcionamento cerebral e da medula espinhal.
  • Aumentar o número de fibras que se contraem durante a ação muscular
  • Promover melhora funcional

A estimulação elétrica  para tarefa específica (TASES) é um dos métodos para se utilizar a eletroestimulação, e ela é baseada em evidências, para crianças ou adultos com paralisia cerebral ou outras patologias onde a inervação está intacta. A estimulação elétrica pode ativar os músculos e proporcionar percepção sensorial e motora para o usuário.

Este aumento da consciência muscular e da capacidade do músculo para contrair melhora a função muscular e o movimento. Outro benefício do uso da eletroestimulação é o aumento da amplitude articular e do movimento da criança, os músculos tornam-se mais ativos e percebe-se melhora imediata  no movimento e na função, bem como a permanência desse efeito ao longo do tempo.

A parte difícil de usar a eletroestimulação  é decidir quais músculos são necessários em cada função. Fotografias e vídeos são apresentados aqui como evidência de como a eletroestimulação usada nos músculos certos pode melhorar o alinhamento biomecânico, a função muscular e consequentemente o desenvolvimento de competências funcionais, além da diminuição da espasticidade.

A estimulação elétrica para tarefa específica  (TASES) é usada para fornecer a entrada sensorial e motora no momento em que os músculos precisam estar ativos durante a função. Ela pode ajuda a  iniciar e manter o movimento durante um objetivo ou atividade motivadora. Um controle remoto é utilizado durante a atividade dinâmica para garantir o sincronismo necessário para a estimulação. O terapeuta precisa considerar a biomecânica e a cinesiologia da atividade e os músculos envolvidos no momento de decidir qual o músculo que será  estimulado, em que posição e em que momento.