Fisioterapia Respiratória

fisioterapia_respiratoria_rta
Área da fisioterapia que atua sob o sistema respiratório como uma terapia manual, visando tratar e prevenir disfunções relacionadas com o sistema respiratório.

A fisioterapia respiratória considera que cada indivíduo apresenta uma biomecânica respiratória particular em relação às disfunções apresentadas e que a função respiratória em repouso e em atividade sofrem influências de diversos fatores, como: Tipo de doença pulmonar:

  • Extensão da doença pulmonar
  • Tônus muscular
  • Postura
  • Doenças associadas
  • Comprometimento do sistema músculo esquelético
  • Características comportamentais.
De acordo com a avaliação das características acima, o fisioterapeuta poderá traçar um plano de tratamento que vise tratar a doença, prevenir as complicações ou retardar as sequelas inerentes ao comprometimento da doença respiratória.

A tomada de decisão do fisioterapeuta acontecerá diariamente de acordo com alguns  fatores, como:

  • Sinais vitais e ausculta pulmonar.
  • Qualidade da movimentação global.
  • Relação entre as funções respiratórias e motoras.
  • Presença de secreções pulmonares, capacidade de expectoração e aspecto. 

A quantidade de secreção pulmonar, a presença de broncoespasmo, alterações no padrão postural entre outros aspectos podem alterar a demanda muscular respiratória, alterando a forma como a criança respira.

Entre os objetivos da Fisioterapia Respiratória temos: 

  • Redução do desconforto respiratório.
  • Mobilização e desbloqueio da caixa torácica.
  • Integração entre as atividades respiratórias e motoras.
  • Remoção de secreção de vias aéreas.

 

A respiração em condições normais deve ocorrer com o mínimo esforço, mínimo gasto energético e máxima eficiência. A presença do esforço limita a qualidade de vida e o desenvolvimento das atividades sensório motoras. Por isso os sinais de esforço devem sempre ser minimizados e evitados através da estruturação de arranjos ventilatórios biomecânicos que favoreçam a ventilação pulmonar e que integrem uma respiração de mínimo esforço à atividade sensório-motora adequada à idade cronológica de cada paciente. Essa estruturação é possível dentro da fisioterapia respiratória baseada e manuseio gentis que respeitem a biomecânica ventilatória.