Os 5 Sistemas de Classificação Funcional na Paralisia Cerebral

Você conhece os 5 sistemas de Classificação Funcional na Paralisia Cerebral? São eles o GMFCS, CFCS, EDACS, VFCS, MACS e Mini MACS.

Todas as classificações são focadas em atividade e participação. Elas classificam os níveis de função de I a V, sendo o nível I os menos comprometidos e os nível V mais comprometidos. As crianças com Paralisia Cerebral podem ser classificados em níveis diferentes em cada uma das classificações.

Leia mais sobre os 5 Sistemas de Classificação Funcional na Paralisia Cerebral:

GMFCS – Sistema de Classificação da função motora grossa

O GMFCS classifica os pacientes em 5 níveis de função, sendo o Nível I os mais funcionais e o nível V os com maior comprometimento motor. A princípio não são esperadas mudanças de nível de GMFCS. Alguns estudos, no entanto, apontam que alguns pacientes podem subir de nível em alguma fase da vida mas que geralmente na adolescência/ fase adulta, voltam para a sua classificação primária.

Classificação geral do GMFCS 

Exemplo de classificação por faixa
etária

CFCS – Sistema de classificação da função de comunicação

O objetivo do CFCS é classificar o desempenho da comunicação diária dos indivíduos com paralisia cerebral em cinco níveis. Este sistema aborda os níveis de atividade e participação de acordo com a Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde (CIF) da Organização Mundial de Saúde (OMS). Determinar o nível do CFCS não requer testes, e ele não substitui as avaliações padronizadas de comunicação. O CFCS não é um teste.

O CFCS classifica os indivíduos pela sua eficácia no desempenho atual de comunicação. Ele não explica quaisquer razões subjacentes para o grau de eficácia, tais como os problemas de origem cognitiva, motivacional, físicos, de fala. O CFCS não determina o potencial de melhora do indivíduo.

 

EDACS – Sistema de classificação das competências para comer e beber

O sistema EDACS é usado para medir a capacidade de comer e beber de uma criança. Isso inclui segurança (aspiração e engasgo) ao comer e beber, eficiência (perda de comida e rapidez no término da refeição) e a quantidade de assistência de que uma pessoa precisa.

 

  • Nível I

Pode comer e beber de forma independente com segurança e eficiência.

  • Nível II

Come e bebe com segurança, mas com algumas limitações de eficiência.

  • Nível III

Come e bebe com algumas limitações de segurança e também pode haver limitações de eficiência. Os sólidos podem ser difíceis de engolir e a asfixia pode ser um risco.

  • Nível IV

Come e bebe com limitações significativas à segurança e não pode engolir alimentos e bebidas sem risco de aspiração. Purês suaves e alimentos amassados podem ser dados por via oral.

  • Nível V

Incapaz de comer ou beber com segurança, depende de alimentação por sonda e apresenta alto risco de aspiração. Níveis de assistência Independente – pode levar comida e bebida à boca sem assistência. Requer assistência – pode levar comida e bebida à boca usando equipamento adaptativo ou requer que outro indivíduo os ajude usando equipamento adaptativo. Totalmente dependente – outro indivíduo leva comida e bebida à boca.

VFCS – Sistema de Classificação da Função Visual

 

  • NÍVEL I:

Usa a função visual com facilidade e sucesso em atividades relacionadas à visão. No máximo, as crianças no Nível Ipodem ser desafiadas ao usar sua visão em ambientes desconhecidos e / ou lotados e / ou novas atividades, mas elas não precisam de estratégias compensatórias ou adaptações consistentemente.

 

  • NÍVEL II:

Usa a função visual com sucesso, mas precisa de estratégias compensatórias autoiniciadoras.As crianças no Nível II precisam consistentemente de estratégias compensatórias autoiniciadas para realizar atividades relacionadas à visão. Eles podem evitar ou se apressar em algumas atividades que requerem habilidades  visuais; entretanto, suas dificuldades visuais não restringem ou apenas restringem levemente sua independência na vida diária.

  • NÍVEL III:

Usa função visual mas precisa de algumas adaptações.

Crianças no Nível III precisam, além de estratégias compensatórias auto-iniciadas, algumas adaptações para usar a visão de forma consistente e funcional e realizar a maioria das atividades relacionadas à visão na vida diária. As adaptações incluem quaisquer modificações feitas no ambiente visual e o uso de equipamentos adaptativos e / ou dispositivos tecnológicos para melhorar a função visual.

 

  • NÍVEL IV:

Usa a função visual em ambientes muito adaptados, mas executa apenas parte das atividades relacionadas à visão.

Crianças no Nível IV podem usar a visão quando significativamente apoiadas por adaptações, no entanto, seu uso da visão é inconsistente, elas realizam parte de atividades relacionadas à visão e frequentemente usam outras modalidades sensoriais para ajudar iniciar e manter a função visual.

 

  • NÍVEL V:

Não usa função visual mesmo em ambientes muito adaptados.

Crianças no Nível V têm limitações severas nas atividades relacionadas à visão diária, mesmo quando suportadas por adaptações significativas; eles usam quase exclusivamente outras modalidades sensoriais (audição, tato, etc.). 

 

 

A diferença entre os níveis I e II

É a necessidade de estratégias compensatórias autoiniciadas para usar a função visual de forma consistente e independente em atividades relacionadas à visão. As crianças no Nível I podem apresentar, no máximo, algum atraso, por exemplo, no reconhecimento de novos objetos ou rostos desconhecidos, ou na exploração de ambientes desconhecidos. As crianças no Nível II realizam quase as mesmas atividades que as crianças no Nível I,mas normalmente mostram estratégias compensatórias auto iniciadas, como movimentos da cabeça (por exemplo, rotação) ou adaptação da posição da cabeça para facilitar a localização visual do alvo ou para melhorar os movimentos dos olhos qualidade; piscar de olhos ou apontar o dedo para explorar melhor uma imagem, em particular se for muito complexa (com muitos detalhes, perspectivas e tamanhos diferentes, condições de iluminação incomuns, orientação de objetos diferentes ou sobreposição de objetos); ajuste da distância do alvo visual ou do objeto para melhor foco visual ou para estabilizar a fixação; colocação de alvos visuais (por exemplo, brinquedos ou equipamento escolar) em uma área específica do campo visual para facilitar a atividade.

A diferença entre os níveis II e III

É a necessidade de assistência na adaptação do ambiente para usar a visão de forma consistente e funcional nas atividades diárias. As crianças no Nível II adotam estratégias espontâneas (ou seja, auto iniciadas), conseguindo usar a visão funcionalmente na maioria das atividades relacionadas à visão.

As crianças no Nível III precisam ter o ambiente adaptado e / ou a atividade modificada para elas a fim de abordar as atividades relacionadas à visão. Eles normalmente precisam de fundos de alto contraste (por exemplo, padrões de tabuleiro de xadrez; padrões preto  e branco, amarelo e azul, vermelho e branco), tamanho otimizado e contraste do alvo visual, aglomeração visual reduzida, distância ajustada do alvo visual e / ou mesas de leitura, e / ou sistemas de ampliação e outros dispositivos tecnológicos visuais.

Diferença entre os níveis III e IV

É que as crianças do nível III usam a função visual de maneira consistente e geralmente não precisam de outras modalidades sensoriais para realizar as atividades. As crianças do Nível IV, além das adaptações já descritas para o Nível III, normalmente tiram grande proveito do ajuste das condições de iluminação para facilitar a visão, como por exemplo iluminar os objetos-alvo em condições de semiescuridão. Seu uso da visão é restrito e inconsistente, e eles são capazes de realizar apenas parte das atividades relacionadas à visão. Por exemplo, eles mostram contato visual descontínuo, fixam-se em situações extremamente adaptadas e reconhecem rostos ou objetos usando também outras modalidades sensoriais. O monitoramento visual é muito difícil sem a integração de outras modalidades sensoriais.

A diferença entre os níveis IV e V

 É a capacidade da criança de realizar parte das atividades relacionadas à visão se fortemente apoiada por adaptações. As crianças no Nível IV às vezes usam a função visual se apoiadas por um ambiente altamente adaptado e outras modalidades sensoriais (audição, tato, etc.). As crianças no Nível V geralmente não realizam atividades relacionadas à visão e sempre precisam de outras dicas sensoriais.

MACS – Sistema de Classificação da Habilidade Manual

 

MACS – sistema de classificação da habilidade manual (4 – 18 anos)

 

Mini – Macs (1– 4 anos)

 

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on email

Veja também

Psicomotricidade

Psicomotricidade

O que é a psicomotricidade? Quando escolher fisioterapia convencional ou sessões de psicomotricidade? Como funciona? Esses são questionamentos frequentes e hoje iremos esclarecer todos eles,

Leia mais »